G-0DW8WW2J2K
Lider

Homem se passava por criança para enganar vítimas e receber pornografia infantil na Paraíba

.

Por Denny Costa em 03/04/2024 às 19:26:22

O homem foi denunciado à Justiça pelo Ministério Público Federal. A denúncia deve ser analisada pela 14ª Vara Federal da Seção Judiciária da Paraíba. Imagem de arquivo mostra homem usando celular

Reprodução/Fantástico

Um homem de 25 anos é acusado de armazenar e distribuir material de pornografia infantil em redes sociais, a partir da cidade de Santa Luzia, no Sertão da Paraíba. O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia contra o homem à Justiça, que deve ser analisada pela 14ª Vara Federal da Seção Judiciária da Paraíba. De acordo com o órgão ministerial, o crime foi praticado mais de 14 vezes, entre 2022 e 2023.

A investigação contra o homem foi iniciada pela Polícia Federal, a partir de informações do National Center for Missing and Exploited Children (NCMEC) – organização não governamental que recebe dados de crimes relacionados a abuso sexual infantil em prestadores de serviço na internet.

A denúncia do MPF utilizou como base as investigações da PF, que recebeu 14 relatórios do NCMEC com condutas praticadas pelo denunciados por meio de duas redes sociais.

O homem utilizava pelo menos 10 contas nas redes sociais, que costumavam ser banidas após constatadas as irregularidades, mas o acusado criava novos usuários. Ele chegou a utilizar o seu próprio nome e sobrenome para se identificar em uma dessas contas.

O acusado conversava com outros usuários, inclusive estrangeiros, para envio de fotos e vídeos com cenas de sexo explícito e material pornográfico envolvendo crianças e adolescentes. O homem se identificava como uma criança de 9 anos, em outros diálogos, afirma ter 11 e 14 anos. O acusado também disse, durante interrogatório da PF, que as vítimas eram mais receptíveis quando ele informava ser menor de idade.

A investigação

O acusado também foi alvo de um mandado de busca e apreensão da Polícia Federal. Foi identificado durante as investigações que os número de telefone utilizados para criação das contas eram de titularidade do denunciado e de seus genitores. A partir do georreferenciamento dos endereços de IP vinculados às redes sociais foi possível encontrar a localização aproximada da residência do acusado.

Foram apreendidos o notebook e o celular do acusado, no qual foram encontrados 36 vídeos e 38 imagens de pornografia infantil.

Durante interrogatório da PF, o homem confessou o armazenamento do material e afirmou que sempre apagava por se sentir culpado.

Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba

Fonte: Globo

Comunicar erro
Bono

Comentários