G-0DW8WW2J2K
Lider

Motorista de aplicativo é banido de plataforma após mãe de santo denunciar intolerância religiosa

.

Por Denny Costa em 01/04/2024 às 18:10:24

A mãe de santo registrou um boletim de ocorrência contra o motorista. A líder religiosa pediu uma corrida saindo do terreiro, o motorista encaminhou uma mensagem com expressões religiosas, dizendo que não iria, e na sequência cancelou. Mãe de santo denuncia ter sofrido intolerância por motorista de carro por aplicativo, em João Pessoa

Reprodução/Arquivo pessoal

O motorista de aplicativo denunciado por uma mãe de santo por intolerância religiosa teve a conta banida na plataforma da empresa de transportes. A líder religiosa pediu uma corrida saindo do terreiro, o motorista encaminhou uma mensagem com expressões religiosas, dizendo que não iria, e na sequência cancelou. Um boletim de ocorrência foi registrado contra o motorista.

A informação foi confirmada ao g1 pela Uber, nesta segunda-feira (1º). Em nota, a empresa afirmou que não tolera qualquer forma de discriminação, encoraja a denúncia tanto pelo próprio aplicativo quanto às autoridades competentes e se coloca a disposição para colaborar com as investigações, na forma da lei.

De acordo com a empresa de transportes por aplicativo, não é possível informar quando o banimento aconteceu por questões de privacidade, previstos na Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

O caso

A denunciante Lúcia de Oliveira, que é líder de um terreiro de Candomblé na capital paraibana, solicitou uma viagem para um atendimento médico.

Ela citou, por mensagem, o terreiro como ponto de referência para ajudar o motorista a se localizar e compreender melhor onde estava indo buscá-la.

O motorista, identificado no aplicativo como Leonardo, respondeu por mensagem: "Sangue de Cristo tem poder, quem vai é outro kkkkk tô fora". A corrida foi cancelada em seguida.

Motorista da Uber utilizou expressões religiosas para recusar corrida de mãe de santo, em João Pessoa

Reprodução/Redes sociais

A mãe de santo explicou ao g1 que quando viu a mensagem teve um aumento de pressão e, depois que outro motorista aceitou a corrida, chegou na consulta médica passando mal.

"A gente se sente muito menosprezada enquanto ser humano, entendeu? Eu gostaria que nenhum pai e mãe de santo passasse pelo que eu passei. A gente se sente muito mal numa situação dessa. A gente se sente ninguém na realidade", concluiu.

A líder religiosa registrou boletim de ocorrência na segunda-feira (25), na Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Homofóbicos, Étnicos-raciais e Delitos de Intolerância Religiosa de João Pessoa.

Notificação do MPPB

Na quarta-feira (27), o Ministério Público da Paraíba (MPPB) notificou a empresa Uber, sobre atos de intolerância religiosa praticados por motoristas da plataforma.

A promotora de Justiça Fabiana Maria Lobo da Silva salientou que, além de contribuir para a apuração desse caso específico, o MPPB quer saber o que a empresa tem feito para coibir essa prática.

"Queremos que a empresa preste esclarecimentos do que vem fazendo para evitar esse tipo de crime, que é um crime também, um crime de racismo, e as medidas que serão adotadas com relação aos motoristas que cometerem esse tipo de prática. Durante a investigação, caso se apure, a empresa pode, inclusive, responder por um dano moral coletivo, que é aquele dano de ofensa à honra, aos valores intrínsecos de uma coletividade, no caso da coletividade de pessoas de religião de matriz africana", explicou Fabiana Lobo.

Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba

Fonte: Globo

Comunicar erro
Bono

Comentários